sábado, 30 de julho de 2022

Sobre a apostasia das nações e o consecutivo processo de decomposição destas

Pedro Valeriano



Nota prévia: Este opúsculo se funda na palestra A apostasia do mundo [1] do tomista Carlos Nougué. Algo do que aqui está foi transcrito; mas em geral não se trata de uma transcrição. Conquanto eu tenha querido permanecer fiel ao pensamento do autor da palestra, a maior parte do texto é de minha própria lavra, razão por que não é possível dizer que Nougué concordaria integralmente com o que aqui se escreve.

É ocioso acrescentar que recomendo efusivamente a audição da referida palestra.

sábado, 12 de junho de 2021

Bula “Unam Sanctam”, de Bonifácio VIII


Bonifácio, Bispo, Servo dos servos de Deus. [*]

Para perpétua memória da coisa.

1. Una, Santa, Católica e Apostólica é a Igreja que, urgidos pela fé, somos compelidos a crer e a professar, e nela firmemente cremos e ela com simplicidade confessamos, fora da qual não há salvação, nem remissão dos pecados, como o Esposo no Cântico proclama: “Porém uma só é a minha pomba, a minha perfeita, ela é a única para sua mãe, escolhida pela que lhe deu o ser” [1]; a qual representa o único corpo místico, cuja cabeça é Cristo, e a [cabeça] de Cristo é Deus [2]. Na qual há um só Senhor, uma só fé, um só batismo [3]. Com efeito, [apenas] uma foi a arca no tempo do dilúvio, prefigurando a única Igreja, que foi consumada com um côvado [4]; teve sem dúvida um único timoneiro e guia: Noé; fora da qual toda a subsistência sobre a terra, como lemos, foi destruída.